As obras de recuperação da tragédia de Mariana causar danos na Barra Longa, em MG

Jornal o Nacional, Belo Horizonte 24/08/2018 21h22 atualizado a menos de 1 minuto Moradores de Barra Longa (MG) reclamar de novo consequências da tragédia de Mariana Moradores de Barra Longa, na Região Central de Minas gerais, um dos municípios afetados pelo rompimento da Barragem do Golfo têm-se queixado de um novo consequências da tragédia, os edifícios e as ruas da cidade estão comprometidas. Para limpar os danos da lama da negação foi necessário o uso de máquinas e caminhões pesados nas ruas que não teria estrutura para suportar muito peso. A lista de quem foi poupado pela lama e diz que ele é golpeado pelas obras de recuperação já tem mais de 200 nomes e endereços. Uma comissão de moradores se reuniu diz que ele deu a lista para a Fundação Renova – empresa criada para cuidar das ações corretivas. Eles pedem a reforma das casas e prioridade no atendimento de famílias que vivem em 30 de edifícios, que foram interditados pela Defesa Civil. O bairro ao Redor da Capela está no topo de Barra Longa, longe do rio, onde a lama Samarco tem passado. Na parte de trás da casa Wenderson Atanazio tem rachaduras nas paredes e a pavimentação da rua está afundando, parte do barranco caiu. “Antes de começar a passar o caminhão aqui esta ravina não para baixo. Eles vieram falar para as pessoas que fizeram a casa em local errado. Aqui a gente paga imposto sobre a PROPRIEDADE como que a gente vai fazer uma casa, em um local errado?”, disse Atanazio. Os moradores também estão preocupados com a aproximação do período de chuvas. “O período de chuva está vindo por aí. Quando a chuva vai agravar-se. Vai cair alguma coisa”, disse Andreia Mendes. A procuradoria-geral da república está reunindo documentos para abrir uma investigação sobre o caso. “Quem tem mais capacidade técnica, económica é que deve fazer a prova da não ocorrência do dano. No princípio, a palavra do alcançado presume-se de boa fé e tem um valor. Este valor deve ser respeitado”, explicou o procurador Helder Magno da Silva. O promotor ainda declarou que, se há um colapso de uma casa, a responsabilidade será da Renova. “Se uma casa de cair sobre o povo está clara a responsabilidade da administração da Renova, mesmo na esfera criminal, porque eles estão assumindo o risco de deixar essa situação para se perpetuar. Esta situação de risco para o povo”, concluiu Silva. A Fundação Renova reconheceu que houve impacto das obras na barra longa e que já começou reparos na casa. Ele afirmou que considera importantes para desenhar um plano com as comunidades e com os órgãos competentes, com o objetivo de determinar uma relação de causa e efeito dos danos identificados nas casas. Barra longa foi feita pelo resíduo que vazou da Barragem do Fundão, em 2015 (Foto: Fábio Tito/G1) a Tragédia Da ruptura da Barragem do Golfo, a empresa de mineração Samarco, cujos proprietários são a Vale e a BHP, causou 19 mortes e destruiu o Rio Doce, com os distritos de Mariana e de cidades vizinhas, tais como Barra Longa. A tragédia foi em novembro de 2015. Barra Longa Mariana

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*